14/07/2017

Resenha: O Ceifador

Título: O Ceifador
Autor: Neal Shusterman
Editora: Seguinte
ISBN: 9788555340352
Ano: 2017
Páginas: 448
Compre: Aqui

Sinopse:

A humanidade venceu todas as barreiras: fome, doenças, guerras, miséria… Até mesmo a morte. Agora os ceifadores são os únicos que podem pôr fim a uma vida, impedindo que o crescimento populacional vá além do limite e a Terra deixe de comportar a população por toda a eternidade.
Citra e Rowan são adolescentes escolhidos como aprendizes de ceifador — um papel que nenhum dos dois quer desempenhar. Para receberem o anel e o manto da Ceifa, os adolescentes precisam dominar a “arte” da coleta, ou seja, precisam aprender a matar. Porém, se falharem em sua missão — ou se a cumplicidade no treinamento se tornar algo mais —, podem colocar a própria vida em risco.

Resenha:

É tão bom quando um livro nos surpreende, não é mesmo? A sensação que a gente tem é incrível e indescritível, ainda mais com um livro que não fui com muitas expectativas e não imaginava o quão fantástico e singular. Quer saber o que achei de O Ceifador? Confira abaixo.

A vida de Citra e Rowan são completamente opostas: Citra tem uma família que a ama e cuida dela, que sente orgulho dos seus feitos; a de Rowan, por outro lado, não o enxerga, sua família é enorme e todos parecem ignorá-lo, principalmente seus pais que nem o escutam quando ele pede atenção. Como o Rowan diz: “ É a alface” da família, todos o rejeitam com muita facilidade.

Quando os jovens são convocados para serem aprendizes do Ceifador Faraday, a surpresa foi enorme para os dois, nunca poderiam imaginar que um dia seriam notados, principalmente para Rowan que viveu sendo invisível. A escolha para seguir esse caminho foi um pouco mais difícil para Citra, já que não queria se separar de sua família, especialmente seu irmãozinho Ben. Ao contrário da garota, Rowan não teve dificuldade nenhuma em querer ser aprendiz de ceifador, sua família poderia até ficar feliz com sua ausência.

Ser aprendiz de ceifador é muito mais do que os boatos que circulam pela cidade dizem, é difícil e exaustivo, tanto fisicamente quanto mentalmente, além disso os novos aprendizes também perceberão que um ceifador pode ser bem diferente do que imaginavam e que tanto os humanos quantos os ceifadores podem sofrer e, no caso dos ceifadores, carregar um fardo. O Ceifador Faraday e outros ceifadores parecem ser tudo aquilo que não imaginavam.


Inesperadamente uma decisão é tomada e Rowan e Citra, ao final do treinamento, serão obrigados a encarar um desafio: quando um deles se tornar ceifador terá que coletar o outro. Assim, Rowan e Citra terão que lutar tanto por suas vidas quanto também em seus corações. A escolha final não será nada fácil, é melhor vencer e matar ou perder e deixar ser morto para não matar quem ama? As escolhas serão difíceis, nenhum dos dois parecem aceitar o fardo, mas o destino é inevitável. Será que existe alguma maneira de escaparem juntos dessa?

Enquanto aprendiam cada dia mais sobre os ceifadores, os jovens também aprendem sobre a Era da Mortalidade, um mundo sangrento, repleto de guerras, violências e corrupções que ficou para trás; agora, a humanidade venceu a morte, todos são imortais graças a Nimbo-Cúmulo, uma inteligência artificial, que tomou o controle do planeta, tirando do poder os políticos, ditadores e exploradores, assim, acabou com as injustiças e violências do mundo, trazendo a paz e ordem. As máquinas começaram a conviver e ter uma relação simbiótica com os humanos. A Nimbo-Cúmulo tornou-se a “mãe” da humanidade.
“A imortalidade nos transformou em personagens de desenho animado” (p. 198).
Essa nova Era Imortal, porém, não difere muito da Era da Mortalidade, pois o preconceito continua e a falta de empatia é ainda maior. Não morrer fez a vida parecer insignificante até a criação dos ceifadores. Você pode rejuvenescer e revivificar quantas vezes quiser desde que pague, já que a medicina ficou incrivelmente melhor e mais rápida. O mesmo caso ocorre na Ceifa, a maldade e o prazer em matar parecia existir entre os ceifadores quando esses sentimentos deveriam ser extintos; um pequeno grupo parecia violar os princípios e os mandamentos da Ceifa para apenas se divertir ao coletarem os humanos.


“Temo por todos nós se os ceifadores começarem a amar o que fazem” (p. 102).
Rowan e Citra começam a conhecer o mundo obscuro dos ceifadores e em que confiar ou não, entre tantos treinamentos algo inesperado acontece que abala o mundo dos aprendizes, principalmente seus destinos. Seria possível mesmo a ceifa ser tão incorruptível quanto pensavam? Tão mais evoluídos que os humanos? Perguntas e mais perguntas surgem quando os dois embarcam cada vez mais fundo nesse mundo e descobre alguns segredos até então bem ocultos.

Se há um ceifador que odiei bastante foi o Ceifador Goddard, que personagem mais repugnante e desprezível, as partes que ele aparecia com seu grupo me deixavam sempre com um frio na barriga, porque as ações dele eram sempre inesperadas e controversas. Ficava intrigada com seus discursos e manipulações, em como conseguia ter uma lábia que conseguiria convencer qualquer um. Ao mesmo tempo que o odiava, sentia fascínio em como conseguia executar seus planos.

A narração é em terceira pessoa e alterna entre Rowan e Citra, também têm capítulos narrados através de um diário de alguns ceifadores mais precisamente de uma ceifadora que no início fiquei intrigada para saber qual sua relação com a história, mas também fiquei encantada pelas seus relatos e reflexões sobre a humanidade e os ceifadores, já a adorava sem ao menos conhecer.


Não sei se seria capaz de escolher as melhores partes do enredo, porque foram tantas descobertas, revelações e momentos inesperados que me fizeram ficar cada vez mais empolgada com o desenvolvimento da história. Cada história sobre o passado da humanidade me fazia refletir em como somos agora e em como seremos daqui em diante. Seremos mesmo Sapiens ou não-sapiens daqui a alguns séculos? Talvez O Ceifador seja um prelúdio do futuro da humanidade.
“A morte torna todos iguais” (p. 30).
O livro aborda muitos assuntos interessantes e que provavelmente permanecerão assim daqui a séculos como a questão do racismo, preconceito, a intolerância religiosa que é muito bem descrita na história. Só sei que fiquei fascinada pela história e em como os temas são tão atuais como são reflexivos, sem contar que o livro me ajudou em um trabalho na Faculdade sobre nós Sapiens, então imaginem como estou impressionada e admirada com esse livro.

A Seguinte, como sempre, fez um excelente trabalho na confecção do livro, a edição está linda, essa capa é espetacular, a tradução do Guilherme Miranda está impecável e a revisão está excelente.


Comentários
14 Comentários

14 comentários:

  1. Quando este livro foi lançado, eu já o coloquei na lista de desejados. Desde o título, capa e sinopse já nos faziam desejar e muito, conhecer a fundo a história.
    É a primeira resenha que leio e fiquei com mais vontade ainda. Ceifar uma vida, como se já não bastasse isso, ter que sair da vidinha pacata e entrar em um mundo totalmente desconhecido e porque não, assustador.
    O choque, a família, as escolhas e o medo segundo a segundo, pois a falha, resulta no próprio fim.
    Quero muito poder ler!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Tem pouco tempo que me interessei por esta leitura, por se trata de assunto tão atual que seria o preconceito, a intolerância religiosa, entre outros, mas de uma forma tão mais violenta, confesso que não queria estar no lugar desses jovens futuros ceifadores, onde terão de escolher entre morrer ou sobreviver. Es trama me pareceu surpreendente, e muito bem construída, por acredito que vou amar me aventurar nesta estória.


    Participe do TOP COMENTARISTA de Julho, para participar e concorrer aos livros "O Casal que mora ao lado" e "Paris para um e outros contos".
    http://petalasdeliberdade.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Realmente é muito bom quando um livro nos surpreende.
    Cheguei pra ler a resenha já com um pé atrás, por conta do título imaginei ser um livro meio assustador, e não curto muito esse gênero. Isso só confirma o quanto o preconceito nos limita... Porque ao chegar ao fim da resenha percebi que este livro é muito mais do que um título.
    Achei bacana a ideia de mostrar como é a vida de um ceifador, que eles sofrem assim como nós, humanos. E ainda mais perceber que eles podem ser bem mais evoluídos. Meio que até neste universo, de ceifadores, existe de certa forma o bem e o mal.
    Provavelmente não é um livro que eu vá ler (pelo menos não neste momento da vida), mas se eu tivesse deixado o pré-conceito me guiar eu não teria lido uma resenha super bem escrita e nem saberia que este livro tem muito a nos ensinar.
    Obrigada.

    ResponderExcluir
  4. Desde que foi lançado esse livro, vejo várias resenhas sobre ele, sendo elas mais positivas do que negativas.
    Confesso que tenho muito interesse de ler.
    Gostei muito da trama e se você gostou, acho que irei também.

    ResponderExcluir
  5. Olá! Vi esse livro mês passado e nossa, só elogios! Parece unânime, o autor acertou em cheio. Quero muito ler, adoro distopias e adoro descobrir livros sem tanto nome, sem uma fama já consolidada. Pretendo comprá-lo logo!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Gostei muito da sua resenha e só aumentou minha curiosidade para ler! Sempre vejo muita gente falando sobre ele e a capa dele nas livrarias hahaha
    A premissa do livro é muito boa e quero mesmo ler algo desse tipo!
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Oi, Thaís!!
    Gostei bastante da resenha, achei a premissa da estória bem interessante!! Sem dúvida é um livro com uma narrativa bem instigante, pois viver em um mundo onde a mortalidade e alcançada e que não existe doenças sem dúvida é fantástico!! Fiquei bem curiosa para conhecer mais sobre os ceifadores e espero adquirir esse livro muito em breve!!
    Bjoss

    ResponderExcluir
  8. Sem dúvidas é muito bom ler um livro que nos surpreende, achei bem diferente a história deste livro, por ter os ceifadores, fiquei curiosa sobre os aprendizes de ceifador, fiquei curiosa para saber sobre o final do treinamento. Já li diversos comentários positivos sobre este livro, e estou muito ansiosa para ler ele.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Mariele!
      é nova por aqui? Seja bem-vinda <3
      Muito obrigada pelo comentário e espero que você possa ler o livro muito em breve, pois ele é maravilhoso.

      Beijos

      Excluir
  9. Thaís!
    Gostei muito de Fragmentados também e se há semelhança, já conquistou.
    O que gostei foi ver uma sociedade perfeita, sem doenças, sem problemas e que as pessoas podem se regenerar, embora acredite que uma sociedade assim, torne a vida sem muitos objetivos. E aí que a ideia do Ceifador faz todo sentido na trama.
    Quero poder ler.
    Um final de semana esplendoroso!
    “O amor é a única loucura de um sábio e a única sabedoria de um tolo.” (William Shakespeare)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JULHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Quero muito ler esse livro achei diferente e me deixou curiosa em saber como o Ceifador escolhe suas vitimas digamos assim, mas pelo visto deve rolar dinheiro envolvido pois a corrupção esta sempre presente. Deve ser uma angustia para os personagens e para o leitor o fato de só um sobreviver na escolha do Ceifador.

    ResponderExcluir
  11. Está na lista de desejados faz tempo, só tenho lido elogios sobre ele.
    Achei a fantasia criada boa demais, com essa história de ceifadores, treinamentos, e esse mundo pós apocaliptico que aparece. Quero mesmo ler esse livro!
    Bjoxx ♥

    ResponderExcluir
  12. Olá Thais!
    Li mtas resenhas do livro e cada vez me interesso mais pra ler e conhecer mais sobre o autor, o enredo tem me chamado mta atenção, espero que eu consiga ler logo.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  13. Oii Thaís!
    A Seguinte é uma das minhas editoras preferidas em questão de conteúdo, com uma história melhor que a outra e com o cuidado nas edições/revisão (além de serem uns amorzinhos com os leitores). Sempre estou acompanhando os lançamentos e esse foi um dos que mais me chamou atenção ultimamente. Não sabia a fundo sobre o que se tratava, só li a sinopse, mas agora estou mais encantada ainda por esse universo criado pelo autor. É muito louco ver o nosso presente agora, no passado com a visão desse livro, isso nos faz refletir muito sobre o que está acontecendo e como será no futuro. Achei a premissa muito boa, a missão de um ceifador e os caminhos até se tornar um. Prefiro quando a narrativa é em primeira pessoa, mas acho que não interfere em nada na emoção da história e ao me sentir ainda mais presa à história. Os personagens principais apresentam características bem opostas, mas espero me apegar a ambos. Além disso, estou muito curiosa sobre o que eles irão descobrir sobre os lados obscuros dos ceifadores e o que terão que enfrentar juntos. Aliás, fico me perguntando o que o autor anda planejando para os próximos volumes, já que se não me engano será uma trilogia e espero que continue com a mesma qualidade deste primeiro. Estou criando altas expectativas para esse livro e espero não me decepcionar. Beijos :)

    ResponderExcluir

© Desbravador de Mundos - Todos os direitos reservados.
Criado por: Marcos de Sousa.
Layout por Fernanda Goulart.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo