12/03/2017

Desbravando Nós: Eu e a Pior Princesa do Mundo


Existem histórias que a gente conta. Existem histórias que contam a gente: nossos medos, sonhos. Nossa coragem e liberdade. Hoje, data tão próxima ao Dia Internacional da Mulher, escolho contar uma de minhas histórias favoritas. A história que, sempre que uma criança pede para que eu a conte, torna o meu dia mais leve. Torna a minha história mais resistente. Torna minha coragem mais persistente. Torna-me mais eu, na medida em que me torno um pouco mais dela: A Pior Princesa do Mundo.

Como eu, e imagino que muitas de vocês, a pior princesa do mundo, Soninha, cresceu lendo os contos de fada. Ela, que vivia sozinha em sua torre, já se perguntava por onde andava o tal príncipe que seria seu. Sentada em seus livros, ela só queria mesmo era um namorado, “poder viajar e mudar de penteado. Então...”

“Princesa linda e docinho de coco”, falando assim ele chegou, dizendo que iria salvá-la de seu sufoco. Dizia, o tal do príncipe, ter lutado e assustado todos que cruzaram seu caminho. “Legal” – disse ela – sem ver grandes coisas nisso. O beijo de amor esperado queria. Enfim, acabaria aquele feitiço que por tanto tempo a prendia.

O príncipe, aquele nobre cavaleiro, levou a princesa para o castelo. Ou seria seu cativeiro? A princesa queria sair pelo mundo, se divertir. Porém, para ela o recado foi dado: ele usaria armadura, ela usaria vestido. Ela poderia escolher qualquer um, o armário estaria sempre sortido. Soninha apenas deveria sorrir muito e manter a rotina, afinal “lutar com dragão não é coisa de menina”.

Com as tranças arrastando no chão, tênis e vestido na canela, Soninha começou a reclamar: “Meu príncipe é um pateta, onde eu fui parar?”. De dentro de seu enclausuramento, porém, não esqueceu de sonhar. Das frestas da esperança, o mundo continuava a espiar... E foi espiando que conheceu um dragão de olhar reluzente e ao invés de ter medo, teve foi uma ideia. Uma ideia genial e contente: o dragão foi chamado para tomar um chá. Quem sabe um mingau? Dalí, você imagina, sairia uma história magistral.

O dragão tinha muito o que contar. Aquele príncipe paspalho também o estava a perturbar. Uma lição, decidiram, precisava tomar. “Então, um perfume o monstrengo cheirou... E com um espirro daqueles tudo voou”. O príncipe, todo emburrado, disse não entender tanta revolta. Não resgatou princesa para andar com dragão e ficar com o vestido imundo. Ela era, definitivamente, A PIOR PRINCESA DO MUNDO!!!!!!!

A resposta de Soninha que seria uma surpresa, de fato. Aquele príncipe não imaginava uma princesa capaz de fazer voar o salto: “Sou a pior princesa do mundo, de fato, meu cabelo precisa urgente de um trato. Ficou tudo destruído, mas eu não ligo. Prefiro viajar com meu novo amigo”.

Daquele dia em diante, conta a história, que Soninha estava pronta: viajou o mundo de ponta a ponta. As regras era ela quem ditava. Não: a palavra final não era do comercial de beleza ou de um príncipe panaca. Ela e seu dragão estavam sempre à procura de novas e incríveis aventuras. Nada de cega submissão, eles formavam um time campeão. A brincadeira e a diversão vieram depois e... “Viveram felizes, os dois”.

P.s.: Se ele diz o que você pode ou não fazer, se ele controla suas roupas, se ele impede que você tenha a sua carreira ou que siga seus sonhos... Ele é violento. Esse tipo de violência pode ser sutil e não deixar marcas físicas, mas marca a alma de muitas mulheres. A decisão a ser tomada nunca é simples, porém, continuo desejando um final como o da Soninha para todas nós, mulheres já crescidas. Continuo acreditando na nossa missão de não permitir que nossas meninas cheguem, um dia, a ser aprisionadas. E que nossos meninos aprendam a não aprisionar.

Viva Soninha! Vivam todas as piores princesas do mundo! Mulheres vivem e resistem!

Referência:

KEMP, Anna. A pior princesa do mundo. Ilustrado por Sara Ogilvie. São Paulo: Paz e Terra, 2015.

Outras fotos:












Comentários
11 Comentários

11 comentários:

  1. Ow meu Deus!!!
    Que riqueza!!! E viva a Soninha e todas as mulheres que com o tempo, aprenderam a se impor e a lutarem por seus lugares nessa era de príncipes nada gentis e delicados.
    Uma nova era se aproxima e nós, somos as responsáveis por isso!
    Ilustrações lindas demais!!!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Oi, Marianne!!
    Que livro mais fofo!! As ilustrações são maravilhosas, fiquei encantada por tudo!! Amei a indicação!!
    Beijoss

    ResponderExcluir
  3. Eu amo livros infantis e as ilustrações me conquistaram *_* Me lembrou a Meriva do filme Valente, a princesa nada convencional rsrs

    ResponderExcluir
  4. Um livro encantador todos deveriam ler kkkkkkk, adorei ter conhecido a obra e as lindas ilustrações cheias de charme, adorei mais ainda essa princesa que lutou por uma coisa que realmente queria, uma tima lição.

    ResponderExcluir
  5. Amei a história e, principalmente as ilustrações. Acho que deveriam ter histórias assim para as crianças, deixa essa parte sobre princesas que não vivem sem um príncipe de lado.

    beijos

    www.mecontanoblog.com

    ResponderExcluir
  6. Mariane!
    Muito linda sua resenha poetizada, bem a contento de um conto de fadas e das aventuras vividas por Soninha e o Dragão.
    Adorei suas observações, porque qualquer tipo de poda que gera submissão é mesmo uma agressão.
    “Ouse saber!(Sapere aude)” (Immanuel Kant)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de MARÇO, livros + KIT DE PAPELARIA e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  7. Que livro mais fofo, adoro esses livros cheios de ilustração, acho que por isso sou encantada por livro infantis. Quem não gosta de fadas, princesas e dragão? Adorei conhecer essa obra linda

    ResponderExcluir
  8. Que livro fofo! Adoro livros ilustrados, fiquei super curiosa para ler, acho que ilustrações nos aproximam um pouco mais da narrativa, entende?! (E que resenha linda!!!!)

    BJS

    ResponderExcluir
  9. Em um mundo ideal, uma postagem como essa seria desnecessária. Mulheres não precisariam gritar para ter voz e nem brigar para ganharem direitos básicos. Triste é perceber que estamos longe disso. Enquanto esse futuro não chega, e só chegará com uma boa revolução, que existam outras tantas princesas péssimas. São elas que movem o mundo.

    ResponderExcluir
  10. Que fofinho esse livro!
    Gosto de princesas idealizadas, com seus vestidões, príncipes lindos e maravilhosos, mas também gosto dessas princesas mais reais, como a gente. Acho que as duas têm seu lugar.
    Quero muito esse livro. minha irmã vai amar.

    ResponderExcluir
  11. Amei a história, ótima indicação de livro e ótima reflexão. Um conto de fadas diferente, que encoraja nossas crianças para serem felizes, que o mais importante e fazer o que se tem vontade e ser feliz.
    Abraço!
    A Arte de Escrever

    ResponderExcluir

© Desbravador de Mundos - Todos os direitos reservados.
Criado por: Marcos de Sousa.
Layout por Fernanda Goulart.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo