16/07/2017

Desbravando Nós: Caro Lázaro


Caro Lázaro,

Você me convidou para uma viagem. Aceitei. No balanço do ônibus, algumas vezes interrompida por um ou outro “vai descer, motô”, fiz a maior parte do trajeto. Porém, muito mais longo e intenso que o trajeto de uma hora, que faço até a faculdade, foi o percurso da sua escrita. Por isso, inicio esta carta agradecendo: Obrigada.

Sabe, Lázaro, eu sou branca. Faz um tempo que tenho tentado fazer o que você propõe: olhar minha pele como um privilégio. A leitura do seu livro é parte desse meu caminho pessoal, e ao mesmo tempo coletivo. Eu aprendi, e me perceber como feminista foi essencial para isso, que não existe nada mais forte do que o lugar de fala de alguém. Ao invés de dizer o que os negros querem ou precisam, decidi fechar a boca: abrir olhos e ouvidos.

Eu nunca terei condições de entender o que é estar em sua pele. Essa é a principal contribuição que seu livro pode trazer para uma pessoa branca. Eu nunca saberei o que é “ser suspeita” pelo simples fato de ter meu corpo como morada. Porém, isso não significa fingir que “não é comigo”. É comigo sim. Porque se eu continuo confundindo meus privilégios com direitos, continuo contribuindo para que o racismo, perverso e estrutural, passe despercebido, como se não fosse nada. E acho que essa é uma segunda grande contribuição aos brancos que te leem.

Você traz muitas discussões com propriedade: dialoga com anônimos e famosos. Faz-nos ouvir vozes diversas. Da Ilha de Paty até a universidade e a televisão. Nos aponta tudo aquilo que ignoramos por desconhecimento ou por conforto. Talvez, a palavra que caiba bem seja desconforto. Aquele desconforto saudável de nos olharmos e sermos capazes de dizer: não é por aqui. A gente se acostuma muito fácil a andar pela trilha de privilégios enquanto os negros vivem em piores condições e morrem mais cedo. A gente se acostuma a gritar “meu corpo, minhas regras” como um jargão vazio, enquanto mulheres negras são as maiores vítimas de feminicídio. Seus corpos, suas regras? Será?

Lendo seu livro, fiquei pensando no desconforto das pessoas brancas ao pronunciarem a palavra negra/negro. Você fala disso: as pessoas negras têm sua identidade tão negada que passam a se entender como pessoas que “são assim”.  E, sabe, cá pensando com meu botões, Lázaro, percebo essa negação como um forma de manter nossos privilégios. Nós, pessoas brancas, muitas vezes não sabemos como falar que alguém é negro em situações casuais. Acabamos por usar “Aquela menina... morena”; “aquele cara... de cor”. É como se fosse uma palavra proibida. Olha a gente negando, de novo, a existência. Por outro lado, para fazer piada: nego, neguinho, preto. Sempre falado com desdém, para desqualificar. Olha a gente desprezando, de novo, a resistência.

Resistência. Essa é outra reflexão importante do seu livro. A resistência é insistentemente cobrada, quando o natural seria que as pessoas simplesmente pudessem viver. Nessa sociedade, estruturalmente racista, machista e desigual, porém, resistir é a única saída. É possível resistir de muitas formas. Você mostra a arte: o cinema, a literatura, o teatro, pensados com responsabilidade, respeito e, principalmente, abertos e acessíveis para que outras vozes se façam ouvir, podem ajudar a construir identidades que abandonam o medo, conhecem e amam suas origens, sua forma, sua cor. Isso é impagável.

Eu tenho muitas coisas para dizer, Lázaro. Seu livro me causou aquele desconforto bom que citei. Acho que vai causar em muita gente ainda. Então, como preciso escolher uma forma de terminar, termino dizendo o quanto seu livro foi capaz de contribuir para a minha formação, não só como gente, o que deve ter ficado claro, mas como profissional. Logo serei professora e seu livro é mais um dos que me indicam o caminho para uma prática sem preconceitos; uma prática que não invisibilize a história e a cultura de um povo. Isso, a Chimamanda e a Conceição Evaristo já haviam me ensinado. Você reforçou: é preciso correr do mito da história escrita pelos que dominam.

 Hoje, ao invés de defender o discurso que “somos todos humanos” (que óbvio!) e de que “somos um país miscigenado, por isso o racismo não existe”, eu prefiro reconhecer meus privilégios. Meu racismo. Assim: ouvindo mais do que falando, descontruindo o que há dele em mim.

Lázaro, mais uma vez, obrigada pela viagem.

Até a próxima.

Com admiração e gratidão,
Mariane

Referência:

RAMOS, Lázaro. Na Minha Pele. Rio de Janeiro: Objetiva, 2017.

Outras fotos:
















Comentários
10 Comentários

10 comentários:

  1. A gente está cansado de saber que o racismo velado no nosso meio é grande demais. E por vezes, perdemos até a dimensão que isso ocupa.
    Quando vi este livro pelo mundo literário,não dei muita atenção não. E esta é a primeira resenha que leio.
    E posso afirmar sem sentir um pingo de culpa, foi uma resenha ímpar!
    A maneira, o jeito poetizado de tentar descrever um pouco sobre tudo que há dentro deste universo.
    E depois disso tudo, o livro com certeza vai para a lista de desejados!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Acho uma das coisas mais idiotas da terra desmerecer qualquer diferença, seja ela cor, religião, opção sexual, necessidades especiais ou outra qualquer.
    Essa é a primeira resenha que leio sobre o livro e achei muito inspiradora!
    Devemos nos colocar na pele do outro, pensar em como gostariamos de ser tratados para deixar de lado essa bobagem chamada preconceito!
    Bjoxx ♥♥

    ResponderExcluir
  3. Uma idiotice ter racismo se todos somos seres humanos!
    Muito legal essa obra e é claro que vou ler!
    Parece ser bem inspiradora.
    Devemos respeitar a todos, pois todos somos filhos de Deus!

    ResponderExcluir
  4. Não sei como comentar esse post depois de ler suas belas palavras, Mariane. 👏👏👏👏
    Hoje vejo como pequenos atos, e pequenas palavras podem calar um povo que já não tem espaço para falar. Hoje entendo, e respeito, o porquê das cotas. Hoje, em pleno século XXI, ainda existe aquele preconceito velado. Isso é triste, é cruel... Mas achei bonito ele dizer que precisamos reconhecer nossos privilégios. De fato, muitas vezes nos esquecemos disso, por vezes nos acomodamos.
    Sua resenha é maravilhosa, e só me fez ter uma certeza: Preciso conhecer as palavras de Lázaro.
    Obrigada, Mariane.

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    É realmente muito triste ainda existir racismo apesar de tudo o que já passamos.
    Gostei muito da forma com que você colocou sua opinião. Foi tudo muito bonito <3
    Também gostei muito das partes do livro que você marcou (:
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Só pelos quotes citados por você pelas fotos do livro, e possível perceber o quanto este livro possui uma escrita de fácil entendimento, e como vamos nos refletir sobre diversos assuntos referentes ao preconceito em relação a cor racial, e nos pequenos gestos do dia a dia. Claro, que este e um assunto no qual me interesso, e com certeza vai me ajudar na minha formação como pessoa e profissional.

    Participe do TOP COMENTARISTA de Julho, para participar e concorrer aos livros "O Casal que mora ao lado" e "Paris para um e outros contos".
    http://petalasdeliberdade.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Mariane!
    Achei linda sua carta para o Lázaro e bem pertinente todos os pontos levantados, precisamos mesmo nos colocar no lugar do outro, mesmo que seja negro, afinal, preconceito não é apenas de cor, tem vários outros tipos.
    Parabéns!
    Gostaria de ler o livro.
    Uma semana esplendorosa!
    “O amor é a única loucura de um sábio e a única sabedoria de um tolo.” (William Shakespeare)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JULHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir
  8. Oii Mariane!!
    Parabéns pelas palavras, arrasou!
    Infelizmente o preconceito ainda existe e está cada vez mais andando de mãos dadas com as pessoas difíceis por aí né...
    Um livro maravilhoso, gostaria mto de conhecer e ler cada página absorvendo as lições que com toda ctz faz os leitores refletirem...
    Bjs!

    ResponderExcluir
  9. Oi, Mariane!!!
    Que carta mais linda!! Gostei de tudo que você falou e tão sem sentido existir o racismo que fico sem palavras para falar nesse assunto. Amei cada trecho que você colocou aqui na postagem!! Não tenho que dizer desse livro só que quero muito ler!!
    Beijoss

    ResponderExcluir
  10. Só pelos trechos marcados percebemos como é interessante o livro, creio que seria uma leitura muito enriquecedora para ser feita. É a primeira que leio sobre o livro, e com certeza vai para minha lista de desejados, pois sempre podemos melhorar nossas ideias. Muito bacana o livro!

    ResponderExcluir

© Desbravador de Mundos - Todos os direitos reservados.
Criado por: Marcos de Sousa.
Layout por Fernanda Goulart.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo