20/06/2017

Resenha: Insana

Título: Insana
Autora: Susannah Cahalan
ISBN: 9788581741550
Editora: Belas-Letras
Ano: 2015
Páginas: 300
Compre: Aqui

Sinopse:

Insana - Uma jovem jornalista com uma carreira promissora em Nova York se vê aprisionada em sua própria insanidade com uma doença que nenhum médico consegue diagnosticar. A rotina no jornal onde ela trabalha é substituída por inexplicáveis alucinações, surtos e ataques de paranoia - os mesmos sinais atribuídos a casos de possessão. Poderia se tratar de um episódio de House, mas é a história de Susannah Cahalan, que escreve o período de terror em que se transforma em desconhecida para si mesma e seus familiares. Sem poder contar com a memória para escrever sua reportagem mais difícil, Susannah recorre aos próprios rascunhos do período em que esteve doente, além de relatos de médicos, familiares, namorado e documentos para construir um drama psicológico sobre os caminhos misteriosos e assustadores do nosso próprio cérebro.

Resenha:

Susannah tem uma vida normal, um bom namorado e uma carreira promissora como jornalista no New York Post. Porém, uma infestação de percevejos começa a inquietar a autora/protagonista. Seria ali que começou a sua loucura? Nem ela sabe dizer. Porém, de um dia para o outro, ela ficou paranoica imaginando percevejos em todos os lugares. E, daí em diante, tudo piorou.

A paranoia virou distração, surtos, alucinações e até convulsões. Porém, inicialmente, ao ir ao médico e fazer uma bateria de exames, nada foi diagnosticado. Susannah, entretanto, continuava piorando. O médico afirmou que era excesso de bebidas e que ela deveria ser menos festeira. Quem dera fosse simples assim; uma simples mudança estava bem longe da verdade.


Após um forte surto, Susannah é, finalmente, internada. E seus piores dias estavam apenas começando. As alucinações aumentavam, ela tentava fugir do hospital e os ataques de fúria se tornavam frequentes.  Nem mesmo seu próprio pai conseguia se aproximar dela sem receber uma saraivada de desaforos. E o pior: os médicos não conseguiam descobrir qual era a sua doença.
“Projeto-me à frente, mas meu corpo bate em alguma coisa. Meus dedos encontram uma vestimenta de malha rígida, que envolve minha cintura e me prende a cama como se fosse uma... qual é mesmo a palavra? Como se fosse uma camisa de força” (p. 11).
Uma equipe de médicos foi formada e o objetivo era um só: descobrir que doença estranha era aquela. Seria o físico influenciando o lado psicológico ou o contrário? No meio de tantas tecnologias, por que nenhuma delas era capaz de descobrir o que Susannah tinha? Seria aquele um caso único?

O drama da autora é tocante e comovente. Em algumas partes conseguimos sentir suas dores, suas angústias e até mesmo o estranhamento de parecer não estar no próprio corpo. Afinal, não deve ser nada fácil passar de uma promissora jornalista para uma mulher tida como completamente insana.


Ou seja, para quem gosta de uma trama com uma forte pegada psicológica, esse é o livro ideal. A investigação da personalidade, hábitos e até mesmo do próprio cérebro é profunda na obra. Para quem se interessa por esses assuntos será um prato cheio; porém, quem desconhece a área, como eu, pode ter um pouco mais de dificuldade pela abundância de termos técnicos.
“O tapete oriental raspou contra a minha bochecha.
Manchas ovais de sangue maculavam o seu desenho.
Os gritos estridentes de minha mãe.
Eu tinha caído no chão e mordido a língua, e estava me debatendo como um peixe fora da água. Meu corpo se contorcia em movimentos esdrúxulos” (p. 75).
Por se tratar de autobiografia, a narração é feita em primeira pessoa. Contudo, se você espera um livro romanceado, com um enredo intrincado, certamente vai se decepcionar. Quem resolver se aventurar na mente da protagonista deve estar preparado para algo bem real, uma narrativa quase jornalística e um drama pessoal fortíssimo. A autora não esconde a verdade atrás de palavras; ela diz o que precisa ser dito.

Se o livro cumpre o que promete, a parte física também não deixa a desejar. A capa é simples, porém, combina com a obra. A diagramação também é comum, contudo, muito confortável, com letras e espaçamento em bom tamanho. Além disso, não tenho o que reclamar da revisão e tradução, que estão ótimas.

Em linhas gerais, Insana é um bom livro para quem não está acostumado com o gênero ou tem pouco conhecimento em psicologia; porém, excelente e muito construtivo para quem se interessa por ambas as áreas. Cabe ao leitor saber o que esperar, dependendo do seu campo de interesse.


Comentários
9 Comentários

9 comentários:

  1. Eu não tenho conhecimento algum sobre livros assim, mas amo histórias que mexem com o psicológico das pessoas. Tanto dos personagens, quanto de quem está lendo.
    A mente é um labirinto, que acredito eu, nunca iremos conseguir decifrar totalmente.
    Não conhecia o livro, mas o título já é bem diferente dos convencionais. E mergulhar na loucura da personagem deve ser algo bem, insano!
    Lerei se tiver oportunidade!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Oi Marcos!
    Eu tinha visto esse livro, mas não tinha lido nenhuma resenha até agora dle...
    Eu gostei apesar de não conhecer mto o gênero, mas eu curto livros que trazem algum aprendizado para as pessoas.
    Dica anotada!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  3. Nunca leio ada muito forte. Acho que não consigo, sou muito emotiva, não iria parar de chorar.
    Mas admito que estou tentando entrar mais nesse mundo psicológico e achei esse livro uma boa dica.

    ResponderExcluir
  4. Ola,
    Não tinha conhecimento dessa obra, mas pela resenha vi que o livro é bem interessante, tem um pequeno mistério nessa personagem por acabar ficando bastante louca, é interessante a forma que todos querem descobrir mas não há soluções de descobrimento. A premissa é muito boa, com certeza seria um bela prato cheio.

    ResponderExcluir
  5. Eu não conhecia este livro, e dificilmente leio autobiografia, mas após ler sua resenha sobre o que se trata a história do livro fiquei bem curiosa em ler, para saber do que se trata esta paranoia da protagonista e qual o final da história, então adicionei Insana em minha lista de leitura e estou bem ansiosa para ler este livro.

    ResponderExcluir
  6. Oi.
    A resenha e a dica estão ótimas, porém, não é um estilo de leitura de que me chame a atenção. Sinceramente não sei se conseguiria me prender.
    Mas para quem gosta desse gênero/estilo, com certeza uma boa dica.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  7. Oi Marcos! Achei super interessante essa dica de leitura! Há algum tempo não leio nada parecido com esse tipo de livro! Gosto da temática um pouco sobrenatural e também o lado psicológico, as questões da personagem em tentar descobrir a origem do mal de que ela sofre, a dúvida e a dor. A mente é indecifrável!
    Bjoxx ♥♥

    ResponderExcluir
  8. Marcos!
    Como psicóloga, livros do gênero sempre me interessam, principalmente aqui, por ser fato real e ainda mais por ser uma doença que ninguém conseguia descobrir o que era.
    Fiquei imaginando toda agonia por qual ela passaou.
    Boas festas juninas!!!!
    “O que importa afinal, viver ou saber que se está vivendo?” (Clarice Lispector)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JUNHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Cursei psicologia e sempre me interessei muito por obras com essa pegada, desde livros até HQs e filmes. Pareceu bem interessante, só não curti a capa, mas isso é detalhe.

    ResponderExcluir

© Desbravador de Mundos - Todos os direitos reservados.
Criado por: Marcos de Sousa.
Layout por Fernanda Goulart.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo