29/06/2017

Resenha: Doze por doze

Título: Doze por doze
Organizadora: Thati Machado
Editora: Blog NEM TE CONTO
ISBN: B019JLJAMY
Ano: 2016
Páginas: 328
Compre: Aqui

Sinopse:

A chegada do ano novo traz consigo o desejo de renovação. Renovamos nossas esperanças, nossos desejos, nossas metas... E, ao início, não sabemos o que esperar do novo ciclo, mas e se... Pudéssemos medir a intensidade de um ano através de suas histórias? Essa é a proposta do “Doze por Doze”. Trazer variados contos, dos mais variados gêneros, para nos fazer enxergar quantas coisas incríveis podem acontecer no período de 12 meses; de 365 dias.

Resenha:

O tempo pode ser medido de diversas formas: milésimos, centésimos, segundos, minutos, horas, dias, meses, anos... Porém, também pode ser medido por experiências, por histórias. Pensando nisso, Thati Machado organizou o livro Doze por doze, onde doze autores se juntam para contar doze histórias, uma para cada mês do ano. O resultado? Confira abaixo.

Por motivo de espaço e para manter a surpresa da obra, não poderei falar de todos os contos do livro, afinal, são doze. Por isso, selecionarei dois para comentar e farei um parecer geral da obra. Os meus escolhidos foram Eu Nunca, da autora Bruna Fontes, e Temos Nosso Próprio Tempo, da Yohana Sanfer. O motivo das escolhas é simples: gostei de ambos os contos.

Em Eu Nunca, Bruna nos apresenta a cidade de Cosmo. Por lá, uma irmandade se destacava por sua influência e poderio financeiro. Eles eram “os escolhidos” e por isso faziam o que queriam, quando queriam, sem medo das punições. Contudo, em um junho qualquer, uma forasteira apareceu. O resultado? Só lendo o conto para saber.
“Claro, isso aqui fosse mesmo um filme de terror, a solitária garota japonesa não estaria utilizando a quantidade adequada de roupas para um dia como esse. Ou arrastando um carrinho de feita azul com flores cor-de-rosa. Em filmes, a garota japonesa só pode ter duas personalidades: a nerd com pais rígidos ou a garota que transborda sensualidade. No momento, não me sinto como nenhuma dessas opções”.
Bruna Fontes ganhou o meu respeito e admiração por fazer diferente e sair do ponto comum. Como Doze por doze é um livro para o público infanto-juvenil, muitos autores apostaram no romance. Ela, ao contrário, preferiu uma pegada mais sombria, o que me agradou demais. O conto não é de terror, mas ele vai além do que se esperava para um infanto-juvenil, visto que temos uma protagonista forte, determinada, que se fortaleceu na dor e que batalha por aquilo que acha correto. Conto mais do que recomendado, tanto pela mensagem quanto pelo desenvolvimento.

Yohana, por sua vez, começou apostando em um quase clichê. Nossa protagonista é a Melina, uma garota que sabe observar o mundo de uma maneira muito peculiar. Em Maio, em uma festa de boas-vindas para a Primavera, ela conhece um rapaz que mudará muita coisa em sua vida, inclusive os seus sentimentos.

O conto da Yohana me chamou a atenção pela mudança ocorrida durante a escrita. Se ele começa por um clichê, o fim ganhou um diferencial que me entusiasmou. A paixão é trabalhada de maneira racional e inteligente, o que deveria ser feito por todos; não de uma forma quase irreal que acontece em livros do gênero. Além disso, a autora também ganha pontos pela escrita incrível e bem trabalhada, o que me agradou demais.
“As garotas normalmente não fazem isso porque costumam ser julgadas quando tomam iniciativa. Eu não tenho problema com isso. Adoro desafiar o machismo”.
Como deu para perceber nesses dois contos, a obra, apesar de possuir um apenas um público, segue por diversas vertentes para alcançá-lo, o que é excelente. Além disso, outro ponto positivo é a multiplicidade de autores, que nos permite conhecer novas escritas e ter surpresas maravilhosas. A Bruna Fontes, por exemplo, eu desconhecia por completo; agora, certamente, lerei mais trabalhos dela.

Contudo, esse mesmo ponto positivo também se torna negativo por causa do outro lado da moeda. A mesma diversidade que te permite descobertas boas também pode ocasionar descobertas não tão agradáveis. É claro que é possível amar todos os contos, mas não foi o que aconteceu comigo. Os que ficaram apenas presos no clichê me irritaram um pouco; afinal, pareciam histórias contadas diversas vezes, apenas com nomes diferentes. Há quem goste desse aspecto, prova é a altíssima nota que o livro mantém no Skoob; porém, a mim não convence. Gosto dos autores que ousam fazer diferente. Felizmente, os que apostaram no mais do mesmo foram a minoria.

Quanto à parte física, não é possível falar, visto que li a obra no formato digital. Porém, devo elogiar o trabalho da Thati Machado, organizadora da obra, que providenciou uma diagramação para a versão e-book muito acima da média do que costumamos encontrar para as plataformas digitais.
“O purgatório não era aquilo, não eram segredos jogados ao vento em uma noite fria de junho para espantar o tédio, para espantar o fato de que ter tudo desde cedo os havia esvaziado por dentro. Que no fim das contas eles não possuíam nada que não fosse miséria”.
Diante de todos os aspectos, claro que indico a obra. Há alguns que não gostarão de todos os contos, assim como aconteceu comigo. Para esses, garanto que há uma maioria que vale muito a pena e que merece ser conferida. Certamente você descobrirá autores maravilhosos. Aos que não se importam com alguns clichês, a obra é mais indicada ainda; provavelmente você amará tudo que vai encontrar no livro.


Comentários
12 Comentários

12 comentários:

  1. Acredito que seja impossível pegar um livro de contos e gostar de todos..rs A gente sempre tem preferência por um ou outro, depende muito do gênero do conto. Achei interessante focarem mais no romance, apesar de achar que também poderiam ter partido para o sobrenatural, já que a maioria dos adolescentes curte e muito!
    Quero ter a oportunidade de ler!!!
    A capa é uma fofura.
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Também acho difícil gostar de todos os 12 contos... haja visto (ai que palavra de velhinha) que são 12 autores bem diferentes. Também comprei o livro na versão ebook na Amazon, mas ainda não consegui ler. Mas quero muito!! Principalmente esses que você citou ♥

    Bjks

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Bom dia Marcos! Como eu sempre falo, não sou muito chegada a contos, tenho que estar interessada mesmo pra começar, então acho que não faria desse livro uma prioridade imediata de leitura, apesar de que o primeiro conto que você mencionou aguçou minha curiosidade. Em uma oportunidade, claro que leria, mas não não faz muito meu estilo de leitura.
    Bjoxx ♥♥

    ResponderExcluir
  5. Oi Marcos!
    Não conhecia esse livro, curto mto contos, tbm concordo que é difícil gostar de td, mas axo sempre q vale a pena conhecer né...
    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Oi, Marcos!!
    Gostei bastante da indicação do livro!! Adoro livros de contos e esse que é um para cada mês do ano e muito legal!!
    Bjoss

    ResponderExcluir
  7. Que livro mais fofo, não conhecia!
    Além da capa ser linda, ainda tem os contos que devem ser super fofos e amores!
    Claro que é impossível gostarmos de todos, mas sei que deve ter vários que eu vou amar.

    ResponderExcluir
  8. Oi.
    Mesmo sabendo que nem todos os contos estão a nosso gosto, o que é aceitável, com certeza a leitura deve ser muito interessante. Ter a oportunidade de conhecer a escrita de vários autores, sempre é um motivo muito positivo e deve ser aproveitado.
    Dica anotada. Obrigada pela ótima resenha.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  9. Marcos!
    A diversidade dos contos é encantador para leitura, mas quando são muitos autores que versam por um mesmo assunto que seja, temos de entender que nem todos irão nos agradar, mas vão servir de parâmetro para nossa análise.
    “Será que você vai saber o quanto penso em você com o meu coração?” (Renato Russo)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JUNHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Eu acho bem juvenil para mim, mas sabe que já ouvi elogios sobre esse conto Eu Nunca em mais lugares, deve ser o melhor do livro, esperamos mais escritos da autora.

    ResponderExcluir
  11. Olá,
    Os livros infanto-juvenil tem sempre mensagens e histórias maravilhosas. Não sou muito de ler contos mas sei que por trás dela tem histórias muito encantadoras é uma pequena mensagem incrível para nos leitores.

    ResponderExcluir
  12. Oi Marcos.
    Uma pena que nem todos os contos te chamou a atenção, eu gostei bastante do livro e parece ser algo que eu curtiria ler, apesar de se tratar de contos o que eu não sou muito fã, mas enfim gostei.
    Bjs.

    ResponderExcluir

© Desbravador de Mundos - Todos os direitos reservados.
Criado por: Marcos de Sousa.
Layout por Fernanda Goulart.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo