02/05/2017

Resenha: O Livro dos Negros

Título: O Livro dos Negros
Autor: Lawrence Hill
ISBN: 9788561977696
Editora: Primavera Editorial
Ano: 2015
Páginas: 408
Compre: Aqui

Sinopse:

O Livro dos Negros conta a história de Aminata Diallo, uma das personagens femininas mais fortes e marcantes da ficção contemporânea. Aminata foi sequestrada, ainda criança, na África, e vendida como escrava na Carolina do Sul.
Após a Revolução Americana, ela foge para o Canadá e escapa da vida de escrava para tentar uma nova história em liberdade. O livro traz uma história que nenhum ouvinte e nenhum leitor esquecerão.
O nome “O Livro dos Negros” se deu devido ao documento histórico, mantido por oficiais navais britânicos, ao fim da Revolução Americana. O documento oficializou os negros que serviram ao rei na Guerra e fugiram para Manhattan, no Canadá, em 1783. Apenas os negros que estivessem no Livro dos Negros poderiam escapar e conseguir sua liberdade. Aminata Diallo percorre toda uma longa trajetória com a finalidade de conseguir entrar no livro dos negros e conquistar sua liberdade.
A obra, marcante e inesquecível, tornou-se uma miniserie de sucesso nos Estados Unidos. Dirigida e escrita por Clemente Virgo (The Wire) e protagonizada pela atriz Aunjanne Ellis e Cuba Gooding Jr., vencedor do Oscar em 1996.

Resenha:

A escravidão negra, apesar de parecer distante, ainda possui reflexos no nosso cotidiano. Afinal, basta ler os jornais para verificar a quantidade de crimes raciais ainda cometidos; basta olhar ao redor e enxergar a quantidade de pessoas negras vivendo em miséria extrema. Sem dúvida a escravidão foi um longo processo histórico que deixa marcas ainda hoje. Contudo, esse processo tão enraizado na sociedade não começou aleatoriamente. A presente obra, apesar de uma ficção, nos faz entender como tudo começou.

Para enxergarmos a escravidão de perto, Lawrence Hill nos leva a acompanhar a história de Aminata Diallo. Ela é uma muçulmana livre residente na África. Contudo, a liberdade de sua infância estava com os dias contados. Um dia houve um ataque à aldeia em que ela vivia. Muitos foram mortos; os demais se tornaram cativos. A liberdade dava adeus e Aminata começaria a conhecer o nível que a maldade humana pode alcançar.


Após caminhar diversos dias assistindo a diversos abusos e agressões, a jovem Aminata acaba embarcando em um navio negreiro em direção à América do Norte. Entretanto, pior do que ser cativa era a chance de sobreviver ao navio. Doenças, pestes e morte passeavam pelos corredores. Vendo aquilo tudo, Aminata só pensava em sobreviver, alcançar a liberdade e voltar para casa.
“Nunca conheci alguém que, fazendo coisas terríveis, pudesse cruzar seu olhar com o meu em paz. Encarar o rosto de outra pessoa é fazer duas coisas: reconhecer a humanidade do outro e assumir a sua. Quando iniciei minha longa marcha para longe de casa, descobri que havia pessoas no mundo que não me conheciam, não me amavam e não se importavam se eu estava viva ou morta” (p. 35).
O Livro dos Negros é uma obra enriquecedora e chocante. Enriquecedora porque permite conhecer melhor o processo de como os escravos eram presos, vendidos e como eles eram tratados no Novo Mundo. Chocante porque observamos o nível da crueldade humana, os maus tratos, a perversão. Além disso, como a narração é em primeira pessoa, a leitura fica ainda mais brutal. Torna-se impossível não se comover com o sofrimento e a dor que os escravos sofreram.

Esse choque também é proporcionado pela riqueza de detalhes da obra. Como houve claramente uma extensa pesquisa antes da escrita do livro, todo o enredo é muito realista. Não obstante, os personagens são de uma profundidade tamanha que nos convencem que são pessoas reais. Principalmente Aminata com seu jeito inteligente e forte, o que faz o leitor envolver-se logo no início do texto.


Se tudo isso não fosse o suficiente, o livro ainda conta com uma escrita leve e bem fluída. Mesmo inserindo diversos aspectos reais, a leitura não se torna nem um pouco arrastada. Isso, aliado a uma diagramação confortável, deixa a obra muito rápida. Ou seja, mesmo o livro sendo grande, é possível desbravar todo o seu conteúdo e beleza com certa velocidade.
“Odiei o grande barco à nossa frente, que ficava maior a cada remada. Em tamanho, humilhava a canoa de doze homens, e seu cheiro era pior que o do curral onde ficamos, na ilha. O barco me amedrontava, mas meu medo maior era afundar na água salgada, impossibilitando a volta do meu espírito para junto dos meus ancestrais” (p. 55).
Com tantos aspectos positivos, só me resta indicar o livro. Se você quer conhecer um pouco mais sobre a escravidão e sobre a história do nosso mundo, essa obra é perfeita para você. Certamente você não irá se decepcionar.



Comentários
18 Comentários

18 comentários:

  1. Oi, Marcos!
    Apesar desse tipo de leitura me deixar destruída, eu realmente gosto. Eu sou apaixonada por história e mesmo sendo ficção, eu gosto de leituras que nos aproximam desses temas.
    E sim, a escravidão não é um assunto tão distante quanto a gente pensa.
    Adorei sua resenha e já coloquei na lista de próximas leituras. ^^
    Beijo

    Canastra Literária | Facebook | Twitter

    ResponderExcluir
  2. Oi, Marcos

    Achei a capa muito elegante. Não conhecia o livro, e por mais que não seja meu estilo de leitura não posso deixar de admirar a relevância que ele possui. Realmente o ser humano é capaz de coisas perversas, a humanidade é assustadora.
    Excelente resenha.

    Beijos
    - Tami
    http://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  3. Mesmo sendo um tipo de leitura dolorida e de muitas perguntas, eu gosto muito de ler e ver também, sobre! Não conhecia o livro e nem a história da moça que acabou sentindo e vivendo tudo isso na pele, sobre a pele. Amei a capa e se tiver oportunidade, quero muito saber sobre a vida da moça!!
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Olá Marcos!!
    Gostei mto de conhecer a obra, vou anotar com toda ctz, essas histórias me atraem mto...
    Bjs!

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Oi, Marcos!
    Esse tema me toca profundamente, seja em livros ou cinema. Sempre me emociono pelo sofrimento que passaram. Mas, por ser uma obra informativa, enriquecedora de conhecimentos, tenho vontade ler.
    Como sempre, sua resenha é convidativa a conhecer mais da obra em questão.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  7. Tinha visto esse livro e me despertou certo interesse, mas confesso que não vi muita coisa dele.
    Achei legal essa noção de se ter ideia de como os escravos eram tratados, a compra e tudo mais naqueles tempos. Toda a crueldade...é horrível imaginar por tudo que passaram, deixa a gente aliviado por ver que muita coisa mudou. E com essa narrativa deve ser bem forte mesmo, bom pra se imaginar no lugar, digamos assim. Poder sentir tudo, ver como as coisas eram ruins.
    Parece ser bem detalhado, mas com uma escrita boa pra se envolver. Com um tamanho desses poderia desencorajar se fosse de leitura mais pacata, arrastada. Mas sendo assim parece fácil de ler, bom pra pegar e se perder nas páginas.
    Boa dica.

    ResponderExcluir
  8. É uma leitura forte, que choca, mas me agrada bastante

    Beijos!

    EsmaltadasdaPatyDomingues

    ResponderExcluir
  9. caramba! bem interessante, realmente quando a gnt lê um livro em primeira pessoa, nos sentimos mais próximos do narrador. Nesse caso, pode ter sido crucial pra ser um livro forte como vc está descrevendo.

    ResponderExcluir
  10. Marcos!
    Ganhei esse livro e aguardo a chegada para poder ler, porque é uma leitura culta, onde podemos acompanhar a saga da protagonista em uma época ainda mais carregada de preconceito.
    Desejo uma ótima semana e um mês abençoado!
    “Muitas palavras não indicam necessariamente muita sabedoria.” (Tales de Mileto)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP COMENTARISTA MAIO 3 livros, 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  11. Olá,
    Fala sobre escravidão e racismo ao mesmo tempo e bem difícil porque e um tema muito complexo e que nós vivemos isso hoje em dia, sendo muito pouco mais ainda existe em nossa sociedade. Um livro bem interessante para ler e também conviver com o personagem para entender o que se passe com ele mesmo!

    ResponderExcluir
  12. Olá.
    Gosto bastante de livros que tragam algum contexto histórico. E aspectos como a segunda guerra mundial e a escravidão sempre vão me fazer querer ler a obra imediatamente, pois são épocas que mostram que níveis a crueldade humana pode alcançar.
    Nunca tinha ouvido falar do livro, e gostei bastante da dica. Certamente irei procurar por ele.

    Uma Mãe Leitora

    ResponderExcluir
  13. Oi Marcos!
    Eu fico fascinada com livros que por mais contem histórias de ficção, retratam de forma fiel, pedaços da nossa história. Tenho certeza de que ao ler esse livro, vou ficar espantada com algumas coisas, mas tenho noção de que o que faz a obra ser boa, é essa pegada realista. Valeu a dica.
    Beijos
    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
  14. Oi Marcos.
    Eu não acho que tenho coragem para ler um livro assim, eu acho triste mas ao mesmo tempo fico impressionada com o quão chocante é você ler um livro que retrate tão fielmente uma parte tão triste da história da humanidade, adorei saber qud apesar da carga emocional ele é um livro bem fluído.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  15. Boa tarde Marcos!
    Que resenha magnífica, me convenceu totalmente a ler o livro o quanto antes! Já vou até por no meu skoob. A trama parece ser forte, tensa, mas a escrita se mostra como uma espécie de aliviadora do clima pesado no livro. A luta da Aminata pela liberdade é algo fascinante e ao mesmo tempo triste. A personagem parece ser sofrer bastante, mas nunca sem perder a força, a garra. Fiquei muuuito curioso mesmo.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  16. CARALHO, nunca tinha ouvido falar desse livro mas a trama parece pesadíssima, já fiquei super intrigado. Sobre o preconceito, tem uma série atual que reflete bem como o racismo ainda permanece, infelizmente, nos dias de hoje: Dear White People. Apesar de eu não ter AMADO a série, ela é super necessária. Assim como o livro. Achei a capa bonita e toda a edição parece ser incrível. Com toda certeza vou dar uma conferida. Beijos.
    PS: Eu adorei como os posts aqui no blog são super dinâmicos, sem enrolações.

    ResponderExcluir
  17. Oi, Marcos!!!
    Que livro mais interessante!! O tema sem dúvida é bem chocante e apesar de nunca ter lido nada parecido fiquei bem instigada para conhecer mais sobre a obra!!
    Beijoss

    ResponderExcluir

© Desbravador de Mundos - Todos os direitos reservados.
Criado por: Marcos de Sousa.
Layout por Fernanda Goulart.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo