17/05/2017

Resenha: Linchamentos: A Justiça Popular no Brasil

Título: Linchamentos: A Justiça Popular no Brasil
Autor: José de Souza Martins
ISBN: 9788572448918
Editora: Contexto
Ano: 2015
Páginas: 208
Compre: Aqui

Sinopse:

Linchamentos: A Justiça Popular no Brasil - O Brasil está entre os países que mais lincham no mundo. Nos últimos 60 anos, mais de um milhão de brasileiros participou de ações de justiçamento de rua. Neste livro oportuno e inquietante, o sociólogo José de Souza Martins busca, além dos motivos próximos, as raízes profundas dessa antiga prática, verdadeiro ritual de loucura coletiva.

Resenha:

Ficção é algo maravilhoso; porém, muitas vezes, é necessário ler algo que nos faça pensar, refletir sobre a realidade e nossa sociedade. Eu estava nesse momento e optei por Linchamentos: a justiça popular no Brasil. Posso afirmar, sem dúvidas, que não me arrependi. Já fazia algum tempo que eu não lia um livro com um conteúdo sociológico tão bom. Então, obviamente, precisava apresentar a obra a vocês.

José de Souza Martins, cientista social e professor titular aposentado da USP, nos apresenta uma verdade que incomoda: o Brasil é um dos países que mais lincha no mundo. E não são cem ou duzentos casos, o que já seria um absurdo; estamos falando de 2.579 pessoas linchadas nos últimos sessenta anos. É um número, no mínimo, aterrorizante.


José de Souza tenta encontrar o motivo para essa prática tão hedionda. E uma das possibilidades possíveis é que a sociedade brasileira se industrializa e se moderniza em uma superfície visível. Porém, nos cantos mais escuros do interior humano, ainda apodrecemos. Afinal, os linchamentos se baseiam em julgamentos instantâneos, superficiais e sem fundamentação lógica e legal. Sem mencionar que, muitas vezes, é influenciado por motivos raciais ou de preconceitos diversos.
“O justiçamento popular se desenrola num plano complexo. Há nele evidência da força do inconsciente coletivo e do que estou chamando aqui de estruturas sociais profundas, as quais permanecem como que adormecidas sob as referências de conduta social atuais e de algum modo presentes também no comportamento individual” (p. 9).
Outro fato mencionado na obra e que me chamou muita a atenção foi a origem do linchamento em terras brasileiras. Pouco se sabe de uma maneia mais profunda, mas tal prática começou por aqui pouco depois da época monárquica. Aliás, um dos primeiros linchados foi um homem da força policial. O motivo do seu linchamento: abrigar ex-escravos em sua residência.

Outro ponto que me agradou bastante na obra foi a profunda pesquisa histórica e fundamentação acadêmica feita pelo autor. Martins apresenta ao leitor reportagens e manchetes de jornais antigos sobre o tema, o que solidifica a base de dados apresentados. Além disso, o autor usa conceitos sociológicos bem trabalhados.


Não obstante o bom trabalho acadêmico do autor, a Contexto também fez o seu papel muito bem e preparou uma excelente apresentação física da obra para o leitor. O livro possui uma capa bonita e uma diagramação simples, porém, confortável. As páginas são brancas, contudo, como as letras são de um tamanho bom, a leitura não é atrapalhada. Tudo contribui para a boa apreciação do livro.
“Os linchamentos, de certo modo, são manifestações de agravamento dessa tensão constitutiva que somos. Crescem numericamente quando aumenta a insegurança em relação à proteção que a sociedade deve receber do Estado, quando as instituições não se mostram eficazes no cumprimento de suas funções, quando há medo em relação ao que a sociedade é ao lugar que cada um nela ocupa” (p. 11).
Diante de todos esses motivos, se torna impossível não indicar a obra, principalmente a quem procura uma boa leitura que irá acrescentar muito em sua visão de mundo. Linchamentos: a justiça popular no Brasil é, sem dúvidas, o melhor livro que eu já li sobre o tema.

Outros trechos:

“A partir do conhecimento que se tem de diferentes modalidades de linchamento em diferentes lugares do país, a hipótese mais provável é a de que a população lincha para punir, mas sobretudo para indicar seu desacordo com alternativas de mudança social que violam concepções, valores e normas de conduta tradicionais, relativas a uma certa concepção de humano” (p. 27).
“É necessário lembrar, ainda, que os linchamentos não são a única expressão de desagregação da ordem. Além dos quebra-quebras de trem e ônibus, e mais do que eles, os saques em diferentes momentos nos últimos anos indicam a proclamação moral do direto à vida e ao ter, o que contesta as condições e as regras da acumulação capitalista como ela se dá em nossa sociedade, fortemente especulativa” (p. 48).
“Em nossa tradição religiosa e cultural, a violência contra a pessoa é inaceitável. Não apenas pelas razões das leis, dos códigos, da Justiça, da polícia e dos legisladores. Já o linchamento é culturalmente aceitável como violência punitiva contra o ato violento que abreviou indevidamente a vida de outrem” (p. 121).


Comentários
11 Comentários

11 comentários:

  1. São dados alarmantes, infelizmente.
    Não podia imaginar que era uma quantidade assim tão absurda. Acredito que a gente tenha é pouco acesso a estas informações, via tv ou internet!
    Quero muito poder ler a obra e tentar entender mais um pouco sobre o assunto.
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Oi Marcos! Eu não tenho o costume de ler livros do gênero confesso, mas eu adorei esse enredo, infelizmente ainda é um tema que não se ouve flar mto né, vou tentar ler siim...
    Bjs!

    ResponderExcluir
  3. Oi Marcos.
    Eu estou apaixonado por essa capa desse livro entretanto infelizmente ele não faz muito Meu gênero confesso que fiquei absolutamente impressionada com o número de linchamentos que já teve no Brasil eu acho que essa é uma boa forma de adquirir conhecimento sobre o nosso próprio país já que nunca pensei nisso como problema social enfim eu gostei mas não acho que leria.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  4. Oie
    Achei o livro bem interessante, mas acho que não o leria agora. Gostei da sua opinião e fiquei curiosa.

    Beijinhos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Confesso que não é meu tipo de livro, não pego muita coisa assim, com tom mais real e etc. Gosto de ler é mais ficção mesmo. Mas por tudo que falou acho que valeria a pena sair da zona de conforto para lê-lo. Gente, fiquei boba com esse número de casos! Não é um negócio que veja com muita frequência e acho que pode mudar e muito minha visão sobre o assunto. Impressionante. Nunca que iria imaginar que no Brasil tem tanto disso.
    Mas ver os motivos e ter um contexto melhor de tudo pra explicar deve ser bem interessante. Parece uma boa obra por isso.

    ResponderExcluir
  6. Oi, Marcos!!
    Normalmente não leio livros desse gênero, mas confesso que fiquei bem curiosa para ler mais sobre o assunto apresentado por José de Souza.
    Bjoss

    ResponderExcluir
  7. Oláá

    Achei a capa ótima e a resenha me deixou bem curiosa pelo livro. Por mais que sejam informações tristes, esses tipos de coisas são necessárias que a gnt saiba. Eu mesma não fazia ideia :/

    ResponderExcluir
  8. Olá,
    Achei interessante esse livro e sempre bom conhecer um pouco o nosso pais, pena que as coisas que ficamos sabendo são muito forte e alarmante. O livro é otimo, gostei bastante!

    ResponderExcluir
  9. Marcos!
    Importante livros que trazem esse questionamento popular.
    E amanhã vai ter linchamento na rua, hein? Com todas as maracutaias que vieram à tona hoje na política, acredito que o BRasil estará em uma situação bem delicada. O povo já tá na rua hoje...
    “Conhecer os outros é sabedoria. Conhecer-se a si próprio é sabedoria superior.” (Lao-Tsé)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE MAIO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Oi, Marcos.
    Como sempre , sua resenha e indicações são muito boas.
    Que realidade chocante e cruel. É um tema bem difícil de ler e compreender. Sinceramente não pretendo fazer a leitura. Mas não quer dizer que eu não ache o livro interessante.
    Obrigada.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  11. Eu não sou o maior entendedor de política do mundo, pra falar a verdade, meu nível de entendimento é minúsculo, mas este livro me parece muito apetitoso, sabe? Acho sempre incrível ler não ficcção, porque dá uma sensação a mais de aprendizado, de absorção. E mesmo que a minha wishlist esteja GIGANTE, o que é mais um livro pra quem já tá afogado em páginas? ASHASAASAHAUAS Boa resenha, abraços.

    ResponderExcluir

© Desbravador de Mundos - Todos os direitos reservados.
Criado por: Marcos de Sousa.
Layout por Fernanda Goulart.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo