16/06/2016

Resenha: Fragmentos

Título: Fragmentos
Autor: Caio Fernando Abreu
Editora: L&PM
ISBN: 9788525410436
Ano: 2008
Páginas: 138
Compre: Aqui

Sinopse:

Nos contos de Caio Fernando Abreu, o leitor encontrará um retrato desesperado do Brasil contemporâneo, repleto de imagens sensoriais, descritas com uma linguagem lírica e poderosa. Neste livro são apresentadas oito histórias e um conto inédito.

Resenha:

Caio Fernando Abreu é um autor aclamado pela crítica e consagrado pelo Facebook. Digo consagrado por essa mídia digital por causa da quantidade de seus textos e fragmentos que circulam por ela, principalmente entre os apaixonados. Infelizmente, boa parte está com a autoria errada, mas ainda assim é um bom parâmetro para perceber a profunda aceitação que o autor ainda tem entre o público, mesmo após a sua morte.

Por se tratar de um compilado de contos curtos, não farei um resumo sinóptico deles, pois isso cortaria toda a beleza de desbravar a obra. Ela deve ser lida como uma descoberta do autor, principalmente para quem nunca leu nada dele. Além disso, resumir um pouco da obra tiraria o principal foco dela: o sentimento. Essa não é uma obra para ser profundamente analisada, mas sentida.


Por um lado, Fragmentos traz um pouco de decepção para quem já é um profundo conhecedor da obra de Caio. Boa parte dos textos já está contida em outras obras, o que faz perder um pouco daquele brilho da primeira lida. Porém, ainda assim, é interessante para quem gosta de ter diversas obras de sua autoria, como é o meu caso.
“Só se pode encher um vaso até a borda. Nem uma gota mais” (p. 69).
Em relação à escrita do autor, o fator que mais se destaca é o lirismo. Encontramos uma linguagem trabalhada, altamente poética e metafórica, mesmo quando próxima do coloquial, o que desperta diversos sentimentos no leitor. Caio se destaca com um dos escritores proeminentes na arte de comover com a beleza da escrita e não com uma historinha triste. Suas sentenças são trabalhadas de forma que toquem o âmago do receptor do seu discurso.

Na obra, encontramos trechos sobre o amor que encanta e a falta dele que destroça; sobre decepção, a dor de estar sozinho e um pessimismo que traz um gosto de bile à boca. Seja qual for o sentimento trabalhado, a subjetividade que o autor insere em seus textos os tornam únicos. Não é um lamento de um apaixonado, é a dor travestida de discurso, de poesia.


O livro é excelente, deveras; a parte física, por sua vez, cumpre o seu papel. O livro foi formatado em edição de bolso, então temos características inerentes a esse formato. O exemplar não contém orelhas e as folhas são brancas, porém, a diagramação é confortável. Como o livro é bem curtinho também, o tamanho das letras não atrapalha a leitura. Não obstante, ainda que atrapalhasse, não seria argumento para não conferir a obra.
“– Você mudou – ele disse.– Tudo mudou” (p. 85).
Sim, a resenha ficou curta e até simples. Porém, como eu disse, essa obra não é para ser discutida, é para ser sentida. Ademais, afirmo: se você for um eterno apaixonado, vai gostar do livro. Caso seja amante da boa literatura e do lirismo em prosa e verso, como é o meu caso, certamente aproveitará cada trecho. Fragmentos tem tudo para tocar cada leitor.

Outros fragmentos:
“Olha, falta muito pouco tempo, e se eu não te disser agora talvez não diga nunca mais, porque tanto eu como você sentimos uma falta enorme de todas essas coisas, e se elas não chegarem a ser ditas nem eu nem você nos sentiremos satisfeitos com tudo que existimos, porque elas não foram existidas completamente, entende, porque as vivemos apenas naquela dimensão em que é permitido viver, não, não é isso que eu quero dizer, não existe uma dimensão permitida e uma outra proibida, indevassável, não me entenda mal, mas é que a gente tem medo de penetrar naquilo que não sabe se terá coragem de viver (...)” (p. 86).
(...) fico só querendo te dizer de como eu te esperava quando a gente marcava qualquer coisa, de como eu olhava o relógio e andava de lá para cá sem pensar definitivamente em nada, mas não, não é isso, eu ainda queria chegar mais perto daquilo que está lá no centro e que um dia destes eu descobri existindo, porque eu nem supunha que existisse, acho que foi o fato de você partir que me fez descobrir tantas coisas” (p. 91).
“Eu quero dizer que sim, que acreditei, mas ela não para, tanto tesão mental espiritual moral existencial e nenhum físico, eu não queria aceitar que fosse isso: éramos diferentes, éramos melhores, éramos superiores, éramos escolhidos, éramos mais, éramos vagamente sagrados, mas no final das contas os bicos dos meus peitos não endureceram e o teu pau não levantou. Cultura demais mata o corpo da gente (...)” (p. 95).


Comentários
19 Comentários

19 comentários:

  1. Eu amo esse autor, sempre estou buscando coisas novas. Realmente ele tem uma escrita maravilhosa e merece toda a atenção !
    Adoraria ler essa obra ;)

    ResponderExcluir
  2. Oi, Marcos, tudo bem?

    Realmente podemos ver muita coisa do Caio - ou não - no Facebook. Sabe aquele site O Pensador? As pessoas vão colocando citações lá e atribuem o texto ao Caio sem ao menos saberem ao certo... aí as outras pessoas vão lá e copiam, é um ciclo sem fim. A mesma coisa acontece com os textos da Tati Bernardi e isso vem desde os tempos do extinto Orkut! haahhahaha
    Eu nunca peguei um livro com textos do Caio para ler, conheço apenas os fragmentos da internet, o que já não tem muita credibilidade. Falando em fragmentos, adorei o nome do livro, muito pertinente.
    Lendo os três trechos que você transcreveu, acredito que seria uma leitura muito interessante e bela. Aqui perto de casa tem um sebo, estou fazendo uma nota mental para passar lá e verificar se há algo do autor.

    Beijos
    http://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  3. Oi Marcos, tudo bem?
    Nem fale nestas citações :P
    Eu sou a pessoa mais chata para colocar uma frase em algum lugar.
    Só coloco quando retirei de um livro. Aí coloco o nome do livro e do autor.
    Sempre fico pensando que essas frases soltas podem não ser de quem estão atribuindo.
    Mas enfim...
    Ah, até lembrei uma amiga de uma amiga minha, fez seu mestrado ou doutorado, não lembro agora, com o título: "Caio Fernando? Li no facebook" Achei interessante :)
    Mas confesso que eu não sou a maior fã de textos do tipo. Como já disse uma vez, acho que eu sou muito ogra para essas coisas :P
    Beijão
    http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi Marcos!

    Nunca li um livro do autor, claro que já li pequenos contos e frases separadas, mas um livro completo, não.
    Gostei da sua resenha, creio mesmo que esse tipo de literatura seja para ser sentida, não discutida.

    Bjo bjo^^

    ResponderExcluir
  5. Não precisa ser uma resenha imensa pra encantar. E essa ficou linda!! Gosto também das resenhas rápidas.
    Adorei a resenha. Livro pipocando na lista de desejados.

    Bjksssssssss

    ResponderExcluir
  6. eu li pouca coisa dele. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
  7. Li muito pouco do Caio, mas parece um linda obra

    Beijos!

    EsmaltadasdaPatyDomingues

    ResponderExcluir
  8. Oi Marcos,
    Acredita que nunca li Caio Fernando Abreu?
    Um amigo meu é super fã dele e já me indicou Morangos Mofados, mas como não sou muito fã de contos, nao me animei a ler.
    Abraço,
    Alê
    www.alemdacontracapa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Nunca li nada do autor, só frases soltas que todos compartilham, fiquei bem curiosa
    Beijos

    Blog Segredos da Cáh
    Instagram
    Facebook
    Canal do You Tube

    ResponderExcluir
  10. oi tudo bem..
    Infelizmente ainda nao li nada do autor(estou vendo agora que estou cometendo um grande pecado em nao ler.rs),enfim a parte de agora vou procurar ler as obras dele ,gostei bastante da historia e da resenha(como sempre.rs)
    um abraço e muito sucesso.

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  12. Amo esse livro. Quero ler e reler cada palavra de Caio. Como você disse, não falo muito sobre o que leio dele porque é uma questão mais de sentir. Ou

    ResponderExcluir
  13. Oi, Marcos
    Que linda resenha! Já tinha escutado falar no livro, mas acredito que essa seja a primeira resenha que leio.
    O autor deve ter essa beleza na escrita a ponto de encantar. Fiquei bastante curiosa para ler o livro.

    ResponderExcluir
  14. Olá, Marcos.
    Não conhecia o autor ainda, nem lembro de ter lido alguma coisa sua pelo face, se li foi sem os devidos créditos. E infelizmente pelo que li na resenha, esse livro não é para mim.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  15. Olá Marcos, tudo bem ???
    Eu posso estar delirando aqui, mas tenho a impressão de que já li essa resenha antes ... Você já havia postado essa resenha Marcos ???
    Nunca li nada do Caio Fernando de Abreu, apesar de já ter me deparado com alguns textos dele por aí. Não sei dizer porque, exatamente, nunca tive muita curiosidade para me aprofundar mais na escrita do autor, mas se tivesse a chance, com toda a certeza leria essa obra !!!

    Beijinhos
    Hear the Bells

    ResponderExcluir
  16. Olá!
    Sempre é muito bom ler suas resenhas e essa não é diferente, transmite muito da obra. Esse livro é puro sentimento, precisa ser lido com muita calma e reflexão. As frases já definem o que será o livro. Adoraria ler, com certeza sou uma eterna apaixonada e sei que será uma leitura grandiosa. Obrigada pela ótima dica. Abraços.

    ResponderExcluir
  17. Olá Marcos!
    Caio F. Abreu arrasando como sempre com suas escritas!
    Sou apaixonada pelas suas obras e suas escritas que são fantásticas!
    Qro mto conferir esse livro!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  18. Marcos
    Não conheço a obra do autor e se entendi corretamente ele já faleceu. Por não conhecer sua obra eu não esbarraria no problema de alguns dos contos já serem conhecidos e não tenho nada contra edições de bolso. Gosto de contos, mas o interessante é que nunca comprei um livro de contos, a maioria que leio ganho para resenha. Tenho que mudar isso.
    abraços
    Gisela
    www.lerparadivertir.com

    ResponderExcluir
  19. Resenha superbem escrita, como sempre, Parabéns!
    E obrigado por esclarecer que os textos do face nem todos são deles!
    PENSEI QUE FOSSE KKKK
    Já imaginei que poderia ter trocas de autoria, mas...
    Enfim, gostei dos trechos que você colocou e os textos do face que acho que são dele eu também curto muito, embora ainda não tenha lido nenhum livro mesmo completo!
    Vou procurar Fragmentos e outro para ler em breve! Ah, cairia bem esse mês pra poder entrar no desafio literário que estou participando! =)
    Obrigado pelas dicas.
    Abraços

    ResponderExcluir

© Desbravador de Mundos - Todos os direitos reservados.
Criado por: Marcos de Sousa.
Layout por Fernanda Goulart.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo